quarta-feira, 5 de agosto de 2009

SEMPRE O MAR


Sempre gostei da companhia do mar. Não importa se está azul ou cinzento, se me vem beijar silenciosamente os pés ou se me atira ruidosamente com os seus salpicos, se cheira a algas ou a iodo. Não importa... Sei que está sempre lá, como se estivesse especialmente à minha espera.

Quando acordo com um passarinho a cantar na janela e vejo o céu azul (às vezes sou a única a vê-lo assim), sei que que o meu mar está lá pronto a partilhar a minha alegria. Nestes dias, sou, junto a ele, livre como o golfinho que pula feliz nas suas ondas.

Nos dias em que as palavras esgrimem no meu cérebro, numa batalha ensurdecedora, só o mar é capaz de as calar. Não sei o porquê. Não sei se é de contemplar a sua infinitude e a sua dança constante, se é de ouvir a sua música ou sentir o seu cheiro. Caminho ao seu lado ou sento-me a olhá-lo e a ouvi-lo até que no meu cérebro as palavras sejam substituídas por silêncio. Nestes momentos nada mais existe: só eu e o mar. Depois, desaparece a urgência das decisões e a enormidade dos problemas. Se não os posso resolver de nada me vale pre-ocupar. Às vezes, simplesmente é preciso esperar, outras dar pequenos (ou grandes) passos na sua resolução. O mar não me dá respostas, dá-me calma, uma grande calma.

O meu templo é o mar.

10 comentários:

Sónia disse...

O mar tem um poder de acalmar, relaxar e meditar. Também gosto muito do mar.
Transmite uma tranquilidade e uma serenidade que tantas vezes nos fazem falta no dia a dia.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não há para mim, maior prazer, do que contemplar o mar. E quando posso, ficar horas esquecidas, com o espírito a pairar sobre ele, sinto um alívio e uma felicidade extremas.
Também gosto dele e todas as maneiras, mas sabe como gosto mais de o ver?
Naqueles dias de Inverno em que está revolto, o céu plúmbeo, mas pelo fim da tarde se rasga em raios de sol que acariciam a água. Divino!

meus instantes e momentos disse...

lindo post. Gostei daqui.
Maurizio

Carla disse...

O mar também tem esse efeito de calma em mim. Como vivo pertinho do mar, é frequente ir até à praia e ficar simplesmente a contemplá-lo.
Confesso que gosto mais no inverno.
Eu costumo dizer que o mar nunca me cansa.
Mas entre o mar e a floresta, prefiro deitar-me no meio das árvores e ouvir o vento a dançar entre elas...
um beijinho e bom fim de semana
*universosquestionáveis*

Vermelho morango disse...

Obrigada pelos parabéns.
Confesso que o mar por vezes me deixa inquieta, penso que tem a ver com o facto de que quando estou perto dele estou com o tempo contado. Nasci e cresci tão perto dele e agora vivo longe...tão longe...
tenho saudades de estarmos os dois: eu e o mar.
de não ter que o absorver com pressa, de o puder mastigar antes de o engolir.
o mais assustador é que sinto isso em relação a quase tudo.
Há quem lhe chame "tomada de consciência" eu confesso que sinto desconforto.
Bom, coisas boas: beijinho muito grande e bons dias de Verão.

mundo azul disse...

__________________________________


...é, mesmo! O mar é uma imensa fonte de energia...Também gosto muito do mar!


Beijos de luz e o meu carinho...

___________________________________

Violeta disse...

Também gosto muito do mar. Durante a semana, sempre que posso lá vou eu, bem cedo, fazer a minha caminhada ao longo do mar.
bjs

Sunshine disse...

O mar ... sempre o mar !!!

Que saudades de estar perto, bem pertinho dele. Especialmente quando está bravo, é nesse vai vem das ondas, no embate com as rochas, na espuma, no sabor do sal que fica no ar ... é aí que sinto desfazerem-se as minhas tristezas ... pena que presentemente não seja possível estar tão perto quanto gostaria.

Bjs para ti .... obrigado

Si disse...

É a força inesgotável e a sua imensidão que tornam o mar tão 'ouvidor' das nossas querelas internas. Por maiores que elas sejam, tornam-se minúsculas perante este gigante da natureza.
Beijinho e obrigada pelas visitas e comentários. Volte sempre!

Vento disse...

Ao longe sem fim existe o horizonte.

Beijo